Sem censura: Fotografias de nudez por AdeY foram consideradas muito picantes para as redes sociais

Você já teve alguma imagem removida de seu feed do Instagram por compartilhar algo que fosse contra as diretrizes de nudez da rede social? Isso acontece constantemente com o artista AdeY, cujo trabalho é um estudo do equilíbrio, força e física do corpo humano em toda a sua forma mais pura: o nu.



Agora, uma próxima exposição e um álbum de fotos intitulado Uncensored respondem a esses movimentos do Instagram. "Fui silenciado, assediado, censurado e removido pelo Instagram por compartilhar minhas obras de arte que visam provocar e desafiar o espectador. Solicito que o Instagram assuma a responsabilidade social e se envolva positivamente na promoção da arte em sua plataforma."


Com experiência em performance, coreografia e dança contemporânea, AdeY espera criar uma "representação não sexualizada e de mente aberta da humanidade, que é baseada em um sonho de aceitação". Suas obras certamente seguem uma linha tênue entre a nudez e o erotismo, mas nos perguntam se devemos julgar o que é considerado arte.



Tendo como pano de fundo vários cenários, sua série imagina um mundo onde o corpo humano é celebrado com a união de todos. Em cima ou dentro de máquinas de lavar, em torno de batentes de portas ou grandes escadarias, em becos sujos e cheios de lixo e em armazéns ou fábricas abandonadas, muitas vezes há um cenário surpreendente em cada fotografia, talvez sugerindo o absurdo da obsessão do mundo pela modéstia e manter as coisas encobertas pelo que é natural e bonito.


O artista britânico também gosta de explorar as diferenças das pessoas, sejam elas físicas, de gênero, raça ou sexualidade. Experimental em sua abordagem, AdeY procura destacar nossa vulnerabilidade, solidão e pontos fortes, enquanto captura momentos de opressão social, isolamento, ansiedade e depressão que parecem desempenhar um papel central na condição humana.



Em uma carta ao Instagram após a remoção de sua conta em agosto de 2017, o artista escreveu: "Sou um fotógrafo britânico cujo trabalho apresenta modelos nus criando imagens que desafiam os papéis de gênero e o comportamento normativo na sociedade. As imagens que crio nunca são sexualmente dirigidas, nunca sobre sexo e, sobretudo, sem conotação sexual. Elas tratam de igualdade, amor, conexão, aceitação e quebra de estigmas associados a relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo".



As imagens em questão foram realizadas entre 2014 e 2019 em localidades ao redor do mundo. A conta de AdeY no Instagram foi deletada nove vezes em um período de 18 meses. Ele não está sozinho, pois outros artistas sofreram o mesmo destino. Na carta, ele pede ao Instagram que "assuma a responsabilidade social, envolvendo-se positivamente em debates sobre diversidade e diferença", particularmente quando parece haver "padrões duplos que existem". AdeY aponta a hipocrisia das redes sociais, dizendo que não é preciso ir muito longe para encontrar relatos com centenas de milhares ou até milhões de seguidores que postam regularmente imagens que “sexualizam, objetificam e degradam, na maioria dos casos, as mulheres”. Ele conclui: "O Instagram ainda é, de muitas maneiras, uma ótima ferramenta para os artistas compartilharem e encontrarem pessoas que querem ser desafiadas pelo status quo. A maioria das pessoas, inclusive eu, acha que deveria haver algum tipo de monitoramento do que é compartilhado, mas ao remover automaticamente o trabalho dos artistas que promovem a igualdade e os direitos humanos não levará a uma plataforma de mídia social mais segura ou progressiva, nem ajudará a sociedade a evoluir como um todo".


Fonte: Creative Boom